As amazonas na mitologia grega

Quem são as amazonas na mitologia grega?

Quando falamos sobre quem são as amazonas na mitologia grega, nos referimos a um grupo de mulheres que constituíram um povo específico: elas estavam a meio caminho entre a mitologia e a realidade. Hesíodo, por exemplo, os coloca em uma região intermediária entre Scilia e Samarce. Lembramos deles por suas representações em belas esculturas, gravuras e testemunhos artísticos, nos quais podemos apreciar parte de sua história. As mulheres guerreiras amazonas eram de bravura incomum, bem como estrategistas habilidosas. Eles são conhecidos por terem participado ativamente da Guerra de Tróia.

Mas as amazonas na mitologia grega são uma lenda ou realidade? Ésquilo nos falou sobre eles em suas obras, Heródoto os chamou de “androctones”, assassinos do sexo masculino, e na Ilíada eram conhecidos como Antianiras, “aqueles que lutam ao lado dos homens” . Como podemos perceber, o mito se entrelaça com a realidade e é difícil separar uma coisa da outra, mas o que resta, sem dúvida, é uma referência de grande interesse sobre a qual queremos falar hoje.

A origem das mulheres guerreiras amazonas

As mulheres guerreiras amazônicas encontram sua origem, segundo a mitologia grega, ao longo do século VIII aC Fala-se de uma cidade localizada na Grécia antiga onde viviam apenas mulheres. Especialistas em luta, combate e arte da guerra. Também foi dito que o surgimento dessa comunidade de mulheres tão ferozes e habilidosas datava precisamente de uma época em que os gregos se dedicavam a capturar meninas. Meninas que depois se revelaram no navio que as transportava e que, conseguindo se libertar, foram para uma pequena ilha, terra onde criaram sua nação.

A lenda das amazonas na mitologia grega conta que nenhum homem tinha permissão para entrar naquela ilha, exceto por um dia por ano, quando uma tribo vizinha poderia cruzar os limites para ter relações sexuais com elas e evitar a extinção de sua raça. E se as crianças nascidas depois de nove meses fossem meninos? Em alguns textos falam de sacrifícios, embora também se explique que voltaram para os pais, tornaram-se escravos ou simplesmente foram abandonados à própria sorte.

As amazonas na mitologia grega só mantinham meninas. Eles foram educados, criados e instruídos na arte da guerra e no trabalho agrícola. Elas se tornaram mulheres capazes de se defender e liderar guerras sem que nenhum homem as ajudasse. Apenas heróis como Aquiles ou Hércules conseguiram derrotá-los ocasionalmente. Em sua época mais famosa, Amazona foi governada por uma rainha: a Rainha Hipólita, que ficou famosa por usar um cinto muito especial que lhe deu força e poderes. Este item foi na verdade um presente de seu pai Ares, o deus da guerra.; já que sua mãe também era outra rainha amazona muito famosa: a Rainha Otrera. Os textos antigos sempre nos falam sobre suas viagens e deslocamentos contínuos. O que se acredita é que as mulheres guerreiras amazônicas passaram a se unir a vários reinos, por sua vez formando múltiplas regiões habitadas apenas por mulheres.

1. A aparência física das amazonas
Já dissemos que as amazonas na mitologia grega tinham habilidades peculiares para a guerra e de grande valor, mas isso estava relacionado a um aspecto físico particular. Eram mulheres lindas, com corpos atléticos e grande estatura. Mas, além disso, tinham uma característica física que os tornava inconfundíveis: as amazonas cortavam um dos seios, algumas até preferiam queimá-lo: o certo. O motivo era simples, se eles se livrassem dele não os incomodaria mais ao usar o arco e a flecha em suas batalhas. Essa mutilação era o seu traço mais característico, aspecto que vimos nas pinturas ocasionais e nas representações escultóricas dessas senhoras a meio caminho entre a realidade e a ficção.

2. Algumas das mulheres guerreiras amazônicas mais conhecidas
Embora as mulheres guerreiras amazônicas sejam definidas por sua coragem e suas habilidades de guerra, como um traço geral e definidor, algumas delas colheram méritos que as fizeram se destacar e ganhar sua própria fama. Vejamos as amazonas mais conhecidas na mitologia grega:

– Ainia, inimiga de Aquiles. Seu nome significa velocidade.
– Hipólita, a rainha amazona, filha de Ares e morta por Hércules.
– Melanipa, irmã de Hipólita . Héracles a sequestrou e exigiu o cinto mágico de Hipólita em troca.
– Mirina, rainha das Amazonas que conquistou Atlântida, na Líbia e que veio derrotar o exército das Górgonas .
– Pentesileia, famosa rainha das Amazonas durante a Guerra de Tróia. Foi derrotado por Aquiles.
– Talestris , uma rainha das Amazonas que veio ter encontros sexuais com Alexandre, o Grande.

As amazonas na mitologia grega, eram reais?

A história das amazonas na mitologia grega se refere ao imaginário dos mitos gregos, que foram herdados de geração em geração. Mas, poderia tudo isso ter uma base real? Foi em 1997 que uma arqueóloga chamada Jeannine Davis-Kimball publicou um estudo no qual ela analisava sepulturas encontradas perto da fronteira entre a Rússia e o Cazaquistão. Os restos mortais de mulheres que foram enterradas com armas foram encontrados lá. Uma ponta de flecha havia sido encontrada na cavidade do corpo de uma mulher, fato que parece ser a prova de que a infeliz morreu em batalha.

Embora a área em que os restos mortais foram encontrados fosse muito longe do mundo grego antigo, um fato que torna improvável que estas fossem as mulheres guerreiras amazonas do mito, parece ser uma prova suficiente da existência de tribos nômades de mulheres que viajou pelas estepes. Eurasian no início da Idade do Ferro. Outro achado interessante ligado às amazonas na mitologia grega foi obtido graças ao trabalho do arqueólogo Valerii Guliaev. Foi ele quem descobriu os restos mortais de quatro mulheres guerreiras no sudeste da Rússia.

Pesquisas posteriores chegaram à conclusão de que eram mulheres citas, um povo nômade que existiu por mil anos, justamente no qual coincidiu com o período arcaico grego, por volta dos séculos VIII ou IX aC Esse achado poderia viabilizar a hipótese de que guerreira amazona as mulheres realmente existiram, e é que o povo cita, em suas migrações, atingiu os atuais territórios da Turquia, nos quais segundo a mitologia teria ocorrido a Guerra de Tróia, da qual participaram as amazonas.

Deixe um comentário